Pesquisar este blog

Loading

Destaques - Leitura indispensável

  • Estou cansado!
    Um desabafo com o Pr. Ricardo Gondim
  • O posicionamento da IURD
    Minha resposta à posição de Edir Macedo
    sobre o aborto
  • O entristecer e o extinguir o Espírito Santo de Deus
    Uma ótima mensagem de Takayoshi Katagiri
  • A mulher samaritana, Coca-Cola e Jesus
    Uma excelente reflexão com o Pr. Ricardo Gondim
    sobre tratar o Evangelho de Cristo como um produto e propaganda de marketing
  • Quando o sacrifício de Jesus não vale nada!
    Uma ótima reflexão com o Pr. Luiz Carlos Alves
    sobre a fé e superstições
  • Morra, para que outros possam viver
    Uma excelente reflexão sobre o tipo de evangelho que
    tem sido pregado hoje, com Juliano Son do Ministério Livres para Adorar

Obrigado pela sua visita! E não deixem de comentar os artigos!!!

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Uma oração antes da cirurgia

Por Tina Blessitt

Meu filho de nove anos fez um pedido que surpreendeu aos médicos e me ensinou uma valiosa lição sobre compartilhar o Evangelho.

No último outono meu filho Austin, de nove anos, foi submetido a uma cirurgia para a retirada das amídalas. Antes da cirurgia, o anestesista chegou para colocar o soro. Ele usava uma divertida roupa cirúrgica, que incluía um chapéu cheio de desenhos de sapos coloridos. Austin amou o “chapéu de sapos”.

O médico explicou que Austin tinha duas opções: poderia fazer a punção e colocar o soro naquele momento ou aguardar até que fosse levado para o centro cirúrgico. No centro cirúrgico, o médico daria para Austin um gás que iria relaxá-lo para que então colocasse o soro.

“Então, Austin, o que você prefere?”, ele perguntou.

Austin respondeu: “Quero o gás”.

Mas conforme o médico saía do quarto, Austin o chamou novamente: “Espere!”.

O médico olhou para ele e disse: “Diga, amiguinho, do que você precisa?”.

“Você vai à igreja?”, perguntou Austin.

“Não, sei que provavelmente deveria ir, mas não vou”, admitiu o médico.

Austin então perguntou: “Mas, você é salvo?”

Com um sorriso nervoso o médico disse: “Não. Mas depois de falar com você, talvez isso deva ser algo que eu preciso considerar”.

Satisfeito com a resposta do médico, Austin respondeu: “Bem, você deveria mesmo considerar, porque Jesus é ótimo!”

“Sim, garoto; tenho certeza de que Ele é”, disse o médico enquanto saía rapidamente do quarto.

Em seguida, uma enfermeira levou-me para a sala de espera. Alguém viria avisar quando a cirurgia de Austin chegasse ao fim.

Após 45 minutos, o anestesista veio à sala de espera. Ele me falou sobre o sucesso da cirurgia e então disse: “Sra. Blessitt, não costumo vir à sala de espera após a cirurgia para conversar com os pais, mas neste caso abri uma exceção. Preciso falar sobre o que seu filho fez”.

Logo pensei: “O que aquele garoto aprontou desta vez?”

O médico explicou que ele havia colocado a máscara em Austin quando meu filho sinalizou que tinha algo a dizer. O médico então removeu a máscara e ele lhe disse: “Espere um pouco! Eu preciso orar!”

O médico disse a ele que orasse e então ele o fez: “Querido Deus, por favor, dê aos médicos e às enfermeiras um lindo dia. E Jesus, por favor, permita que o médico do chapéu de sapo seja salvo e comece a freqüentar a igreja. Amém!”

O médico admitiu então que aquilo o havia tocado: “Eu estava certo de que ele faria uma oração pelo sucesso da cirurgia. Ele nem mencionou a cirurgia. Orou por mim! Sra. Blessitt, eu precisava vir aqui e lhe dizer que a senhora tem um garotinho excelente”.

Após alguns minutos a enfermeira foi me buscar para que eu acompanhasse meu filho na sala de recuperação. Ela tinha um grande sorriso no rosto quando entramos no elevador: “Sra. Blessitt, não via a hora de lhe dizer uma coisa incrível que seu filho fez”.

Com um sorriso, eu disse a ela que o médico já havia mencionado a oração de Austin.

“Mas há algo que a senhora não sabe”, ela disse.

“Algumas enfermeiras e eu já estávamos testemunhando e orando por este médico há muito tempo. Depois da cirurgia de seu filho, o médico nos procurou para contar acerca da oração de Austin. Ele disse: ‘Meninas, fui pego. Se aquele garotinho orou por mim pouco antes da cirurgia dele, acho que preciso mesmo desse seu Jesus também”.

Então a enfermeira descreveu o momento em que outras enfermeiras se juntaram ao médico e a oração que ele fez para receber a Cristo ali mesmo no hospital. Fiquei espantada! Austin fez uma pequena participação em algo tão maravilhoso. Da mesma forma, vi a importância das enfermeiras que oraram pelo médico e testemunharam a ele. Então pensei nas palavras de João no Evangelho: “Assim é verdadeiro o ditado: um semeia e o outro colhe” (João 4.37).

A experiência de Austin me ensinou que, mesmo sem saber para qual papel somos chamados a desempenhar, no final isso não importa. O que importa é que permaneçamos fiéis em compartilhar o Evangelho.


Tina Blessitt
é escritora e mora com seu marido
e quatro filhos no Kentucky, EUA
Fonte: www.cristianismohoje.com.br

8 comentários: