Pesquisar este blog

Loading

Destaques - Leitura indispensável

  • Estou cansado!
    Um desabafo com o Pr. Ricardo Gondim
  • O posicionamento da IURD
    Minha resposta à posição de Edir Macedo
    sobre o aborto
  • O entristecer e o extinguir o Espírito Santo de Deus
    Uma ótima mensagem de Takayoshi Katagiri
  • A mulher samaritana, Coca-Cola e Jesus
    Uma excelente reflexão com o Pr. Ricardo Gondim
    sobre tratar o Evangelho de Cristo como um produto e propaganda de marketing
  • Quando o sacrifício de Jesus não vale nada!
    Uma ótima reflexão com o Pr. Luiz Carlos Alves
    sobre a fé e superstições
  • Morra, para que outros possam viver
    Uma excelente reflexão sobre o tipo de evangelho que
    tem sido pregado hoje, com Juliano Son do Ministério Livres para Adorar

Obrigado pela sua visita! E não deixem de comentar os artigos!!!

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Louvemos ao Senhor!

“O louvor, o sacrifício de louvor, de acordo com a própria Bíblia, é o fruto dos lábios que confessam o nome de Jesus (Hb 13:15).

Adorar a Deus é reconhecer e confessar Sua glória, Seu poder, Sua majestade, Sua magnificência, não importando o que Ele faça ou deixe de fazer. A adoração é pelo que Deus é.

Na adoração, nos humilhamos diante de Deus, reconhecemos e exaltamos a glória, majestade e poder. Às vezes mesmo sem palavras.

Na adoração nada se pede, nada se reivindica, nada se agradece. Apenas se exalta e glorifica ao Senhor nosso Deus. Apenas... se adora e se alegra pela simples presença de Deus. (Hc 3:17-19)”


Takayoshi Katagiri - katagiri@terra.com.br
Fonte:
www.montesiao.pro.br



Infelizmente, muito do que é entoado hoje nas igrejas tem apenas aparência de louvores, mas não passam de “música para ‘crente’ ouvir”. A pessoal central da adoração e do louvor verdadeiros é Deus (o Pai, o Filho e o Espírito Santo). Grande parte das músicas evangélicas da atualidade (pelo menos no Brasil) têm colocado o homem no centro da adoração! O homem é apresentado como o ser sempre vitorioso que “ordena” e Deus executa; que tudo pode conquistar; que age e acontece. Temos esquecido do conceito fundamental de nos humilhar diante de Deus e exalta-lo acima de tudo.

Um louvor verdadeiro e sincero precisa, antes de mais nada, partir de um verdadeiro adorador, alguém cuja vida diária seja de devoção ao Senhor.

Eu acredito que um culto (adoração pública a Deus) é formado basicamente de duas partes: do momento em que nós entregamos algo a Deus; e do momento em que Deus nos entrega algo. O louvor, em minha opinião, é o momento máximo da nossa entrega a Deus. Mas o que tenho notado é que neste momento, ao invés de nos entregar a Deus, estamos querendo que Deus se entregue a nós. Estamos transformando os louvores em petições; transformando o momento de exaltarmos a Deus pelo que Ele é, numa busca pelo que Ele pode nos oferecer. E quando não, entoamos relatos daquilo que nós conquistamos.

Já é tempo de analisarmos os hinos que usaremos para o Seu louvor. Muitas músicas são agradáveis de se ouvir, mas não estão de acordo com o evangelho de Cristo; outras são bíblicas, mas não são adequadas para o louvor, pois não exaltam ao Senhor, nem tributam a glória que é devida ao Seu Nome.

Não quero julgar o trabalho dos nossos artistas e acredito que todos os hinos têm seu espaço, desde que usados nos momentos adequados (há hinos para todas as situações), mas é importante estarmos de olhos abertos e ouvidos apurados para não roubarmos do Senhor a glória que Lhe é devida! No momento de orar, oremos; se é para ouvir, que seja com atenção; no momento de louvar a Deus, vamos, simplesmente, louvá-lO; e adorá-lO em todo tempo!

Dovaniano



“A adoração é gerada dentro do homem, onde só Deus pode ver. O louvor inevitavelmente se exterioriza, onde os homens também podem ver. Como vimos até aqui, adoração significa reverência a Deus, através de uma vida de reconhecimento e amor. Não é possível adorar sem louvar, mas é possível louvar sem adorar.


Deus disse: ‘...este povo se aproxima de mim, e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim...’

Os verdadeiros adoradores estão compromissados com Deus interior e exteriormente. A música é um veículo, um transporte para o louvor e a adoração. Louvar a Deus se torna muito agradável com o respaldo (apoio) da música. É muito gostoso expressar nosso louvor a Deus através dela. A música não é fundamental mas coopera. Ela tem sua importância.

A adoração pode conter a música, mas nem sempre a música contém adoração.”



Daniel Souza é pastor e músico
vinculado à Igreja em São Vicente/SP



Nota: Não deixe de ler também “Tudo em nome de quem? Jesus?” de Brian McLaren

Nenhum comentário:

Postar um comentário